terça-feira, 12 de outubro de 2010

Meu Querido Pônei

Querido poney, Little Pony, brinquedo, Rainbow Dash, foto
Hmmm, adoro cheirinho de brinquedo novo!

Haviam algumas coisas que você poderia me dar de presente, sem erro, quando eu era criança. Qualquer coisa relacionada à Dama e o Vagabundo, Playmobil, Lego e Querido Pônei. Se me dessem uma boneca ou roupa, era choro na certa. Para vocês terem uma ideia. Certa vez minha mãe teve que voltar ao shopping, na véspera do Natal, só para trocar uma Barbie por outro brinquedo.

Bom, os pôneis eu “descobri” tarde demais, quando já estavam saindo de linha. O que tornava a busca do presente como uma espécie de busca do Santo Graal. Impossível. Logo não se encontrava mais nenhum pônei nas lojas, e assim cresceu uma pequena Ila traumatizada.

Faz alguns anos que a linha Querido Pônei foi relançada no Brasil. Por várias vezes ensaiei de comprar um com a desculpa de dar para a priminha, sabe como é… Mas sempre me batia aquele “ahhh Ila, você não é mais criança!”, e eu desencantava. Então, um dia, passeando com Ricbit no shopping, eis que vejo os últimos exemplares dos cavalinhos coloridos nas prateleiras (sim, já estavam saindo de linha novamente). Então, o marido já prevendo outro trauma “de infância”, resolveu comprar um para mim. Ahhh que alegria. Não desgrudei do brinquedo! me senti com 8 anos novamente! hehe.

Curiosamente, o pônei foi um dos primeiros desenhos mais bonitinhos que fiz quando criança, e por causa disso eu desenhava ele em todo lugar, no caderno dos coleguinhas, nas provas de matemática... Este pônei foi feito em algum dos meus muitos cadernos de Educação Artística de 1990.

Querido poney, Little Pony, Rainbow Dash, desenho digital
Querido Pônei - Ila - 8 anos

E hoje, 20 anos depois, desenhei novamente! Aposto que a pequena Ila iria amar isso!

Querido poney, Little Pony, Rainbow Dash, desenho de criança, garatuja
Querido Pônei - Ila - 28 anos

18 comentários:

  1. Hoje em dia eu não consigo ver os Queridos Pôneis e não lembrar do Charlie, The Unicorn.

    Bom saber que você também era (com todo o respeito e a empatia do mundo) chatinha com presentes quando criança. Eu também era.
    Já fiz muito bico por ganhar coisa que não gostava, PRINCIPALMENTE jogo de tabuleiro e essas coisas.
    Roupa, então..... ishe!
    (roupa eu não gosto de ganhar até hoje, na real. Acho pessoal demais. A não ser que eu, explicitamente, peça determinada roupa)

    E nem esquente em ter vergonha de comprar Meus Queridos Pôneis ou qualquer outra coisa.
    Percebo que a nossa geração (felizmente) é bem "sem-vergonha", hehehehe.

    Aliás, entrar em loja de brinquedo continua sendo tão -ou mais- delicioso que/quanto antes.

    ResponderExcluir
  2. Gabriel,
    Pô, mas o Charlie é um unicórnio, não pônei! X-D
    Bom, no modo geral eu até que curtia ganhar presentes em geral, sem muita frescura (tirando roupa e bonecas, argh). Neste dia aí mesmo que a minha mãe trocou a Barbie, ela trouxe no lugar uma cestinha de brinquedo com comidinhas de mentira. Eu adorei!
    Eu usava bastante a imaginação, e brincava por horas... :-D
    Ai, não consigo passar na frente de uma loja de brinquedos sem entrar, é sempre divertido...

    ResponderExcluir
  3. Ahhh eu não peguei a fase do Querido Pônei! Mas eu era obcecada por Lego (pra sofrimento dos meus pais porque qualquer caixinha de lego era mega cara!).

    ResponderExcluir
  4. Evelyn,
    Felizes eram as criancinhas dos EUA que podem comprar Lego A GRANEL. Vc chega lá e pede copos e mais copos de pecinhas soltas. Aiai... Aqui a gente tinha que se contentar com caixinhas pequenas e temáticas. Meu sonho era ter um daqueles baldes gigantes, cheios de pecinhas.

    ResponderExcluir
  5. Eu amava os poneis! mas acho q também peguei o final pois tive só uns dois. :(

    ResponderExcluir
  6. Nina,
    Eu tive uns 3... e um deles uma professora ainda tomou de mim e nunca devolveu! :-(

    ResponderExcluir
  7. Ila com oito anos já desenhava hiper-bem,que professora má,levou o peneizinho e não devolveu,isso não se faz com uma criança,nada como a vida prá nos devolver,nem que seja aos vinte e poucos anos pelas mãos do Ricbit.
    angela

    ResponderExcluir
  8. Acho que a infância dos anos 90 (a minha infância) foi infelizmente a última mais gostosa de curtir, onde quase não existiam programas idiotas na Tv, o sexo não era explícito em qualquer lugar e eu podia brincar tranquilamente a tarde inteirinha de Lego, Boneca ou desenhar! Só torço para que o dia que tiver um filho eu consiga fazer com que ele tenha uma infância um pouco parecida com a que tivemos, tão pura!
    Ah Ila, vi sua foto da "Mini- Ila" no twitter, rsrs, no meu blog coloquei uma foto minha, da uma olhadinha se quiser: http://corderosa.tk

    Beijos e continue assim, sempre com a Ilazinha dentro de você, te guiando!
    Beijocas para você!

    ResponderExcluir
  9. Auu.. au...
    Adorei conhecer seu blog, au.. au...
    Lambeijos!! au.. au..

    ResponderExcluir
  10. Seus trabalhos são lindos. Quanto você cobra para fazer uma caricatura?

    ResponderExcluir
  11. Angela,
    Pois é, esta professora vivia tomando brinquedo meu! vai ver tinha filho e dava para eles depois. :-/

    Gabi,
    Sobre nossa infância ser pura acho que só é impressão, nosso grande diferencial foi "liberdade". O gostoso foi que tudo era tão politicamente incorreto, sem aquela patrulha que existe hoje para tudo ser certinho sabe? que outra infância teria um programa Infantil chamado "Hora do Capeta" (aquele do Sérgio Mallandro), hahaha. A gente tinha videogame, podia brincar na rua sem medo ser sequestrado... Outra coisa que eu acho é que as crianças das nossa geração foram as últimas que ainda sabiam ser crianças e verdade, a criançada de hoje são mini-adultos precoces, que com 8 anos já estão metidos em intrigas amorosas e sociais, coisa que era para acontecer sóóó na adolescência... jogando fora uma parte da infância que não volta mais. :-(
    p.s - Muito gracinha vc criança, tinha uma cara de ser traquinas!

    Sherry,
    Au au au, que bom! ;-)

    ResponderExcluir
  12. Nossa! Ila, seu desenho ficou melhor que o pônei original!Que lindo!
    Aliás, e esse desenho de quando você tinha 8 anos!? Parabéns para a Ila criança também! rs
    Eu sou um pouquinho mais velha, não tive os Pôneis, apenas papéis de carta deles!
    Acho que você fez uma boa troca quando criança, nunca vi nenhuma graça na Barbie.

    Bjocas,
    Ale

    ResponderExcluir
  13. Alessandra,
    Né? e pior q quem gosta de Barbie tem várias, toooodas iguais! não dá nem para inventar alguma história legal! talvez alguma coisa que se passe num bastidor de desfile de moda, sei lá... também nunca gostei de brincar de casinha (com bonecas normais). Vai ver que desde criança eu já sabia que não queria ter filhos. :-P

    ResponderExcluir
  14. Ai que saudade! Eu tinha um querido pônei rosa!! rsrs
    Sempre gostei muito de brinquedos em geral e lembro de todos com muito carinho!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Grazi,
    Ahh eu tive um verde, um azul e um amarelinho (que a professora roubou de mim!). :-(

    ResponderExcluir
  16. Eu tive um Querido Pônei que era um tipo de pelúcia.
    Lembro que os pôneis de plástico eram muito caros e meus pais puderam me dar esse que era tipo uma pelúcia, que não ficava de pé pq era muito fininho.
    Mas lembro que ele era verde, com trevos desenhados na parte de traseira... deveria ser o pônei da sorte!
    Mas meu grande trauma ate hoje é nunca ter ganhado uma boneca da Hello Kitty... minha mãe presenteou todas as minhas coleguinhas com uma bonequinha, mas da minha vez, ganhei outra coisa!

    ResponderExcluir

Este blog segue a política da educação em primeiro lugar. Qualquer comentário sem noção, ofensivo, estúpido, amargo ou invejoso será solenemente ignorado e excluído. Tenho pouquíssimo tempo para perder com o que não seja amor!

Ah, e obrigada pelas visitas e pelos comentários! :-D

Ila Fox